jump to navigation

Verdadeira Espiritualidade – Capítulo 5 Dezembro 14, 2013

Posted by David Costa in Verdadeira Espiritualidade.
add a comment

As Duas Naturezas do Crente

O velho homem e o novo

O crente que é verdadeiramente espiritual deve reconhecer o facto de que dentro de si existem agora duas naturezas. Para além da natureza decaída de Adão, existe agora a perfeita natureza de Cristo, nascida de Deus através do Espírito Santo.

Tão real é a presença de ambas as naturezas em todo o filho de Deus, que Paulo quando se refere à experiência do crente, os seus pronomes pessoais referem-se por vezes a uma e por outras vezes à outra.

Um bom exemplo de tal situação encontra-se em Romanos 7, onde o apóstolo escreve: “eu sou carnal, vendido sob o pecado” (v. 14), e um pouco mais abaixo escreve “sirvo à lei de Deus” (v. 25). Também escreve no versículo 18: “em mim… não habita bem algum”, e uns versículos depois escreve: “tenho prazer na lei de Deus” (v. 22), referindo-se numas expressões à velha natureza e em outras à nova natureza. Certamente o “eu” que tem prazer na lei de Deus não é o mesmo “eu” que é “carnal, vendido sob o pecado” (v. 14). Mesmo assim, em ambos os casos o apóstolo usa o primeiro pronome pessoal, associando ambas as condições consigo próprio.

De forma a tornar claro de que o apóstolo Paulo se refere a duas naturezas em uma pessoa, ele usa expressões que qualificam de qual natureza ele se refere em determinado momento neste capítulo. No versículo 18 ele escreve: “em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum”, enquanto que no versículo 22 ele escreve: “porque segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus”. Assim, o “mim” no versículo 18 refere-se à venha natureza, enquanto que o “eu” implícito no versículo 22 refere-se à nova natureza. Na velha natureza não habita bem algum, enquanto que a nova deleita-se na lei de Deus.

A velha natureza no crente

O crente que busca ser verdadeiramente espiritual necessita reconhecer a presença da velha natureza dentro de si. Seria perigoso não reconhecer um perigo tão perto de si.

A velha natureza no crente é aquela que é “nascida da carne”. Também é chamada de “a carne”, “o velho homem”, “o homem natural” e “a mente carnal”.

Tal como “os que estão na carne não podem agradar a Deus” (Romanos 8:8), assim também aquilo que é da carne, no crente, não pode agradar a Deus. “A carne”, como já vimos, é totalmente depravada. Deus chama-a de “carne do pecado” (Romanos 8:3), avisa-nos de que ela busca “ocasião” de fazer o mal (Gálatas 5:13) e declara que todas as “obras da carne” são más (Gálatas 5:19-21).

Também é de notar que a velha natureza no crente não se aperfeiçoa pelo contacto com a nova natureza. Em relação “à carne” no crente, e em si próprio, o apóstolo Paulo declara que nela “não habita bem algum” (Romanos 7:18), que é “carnal, vendida sob o pecado” (Romanos 7:14), que “se corrompe pelas concupiscências do engano” (Efésios 4:22), que “é inimizade contra Deus” e que “não é sujeita à lei de Deus, nem em verdade, o pode ser” (Romanos 8:7).

“A carne”, que ainda permanece dentro do crente após a sua salvação, é aquela natureza gerada por um progenitor decaído. É a velha natureza adâmica. É pecaminosa em si própria. Não pode ser aperfeiçoada. Não pode ser transformada. O nosso Senhor disse que “o que é nascido da carne é carne” (João 3:6), e é tão impossível aperfeiçoar o “velho homem” no crente, como é impossível o tornar aceitável diante de Deus em primeiro lugar.

“O velho homem” foi condenado e julgado na cruz. O crente nunca é instruído a tentar fazer alguma coisa com a sua velha natureza, ou mesmo a fazer alguma coisa por ela; apenas a “despojar-se” dela.

A velha natureza não é erradicada nesta vida

Alguns crentes, com boas intenções, buscam alcançar a erradicação completa da velha natureza na sua vida. Infelizmente tal não ajuda, mas, pelo contrário, impede o desenvolvimento da verdadeira espiritualidade.

Primeiramente, a doutrina da erradicação longe de tomar uma perspectiva séria do pecado, toma antes uma perspectiva muito superficial dela. Aqueles que a ensinam, pressupõem que se nós nos conseguíssemos livrar dos nossos pecados nos reconheceríamos como perfeitos. No entanto esquecem facilmente que no nosso melhor, todos nós, decaídos pelo pecado de Adão, encontramo-nos permanentemente “destituídos da glória de Deus” (Romanos 3:23) e continuaremos destituídos até o dia em que formos transformados “com Ele”. Assim, “nós, pelo espírito da fé, aguardamos a esperança da justiça” (Gálatas 5:5).

Em relação àqueles que pensam que atingiram a erradicação da velha natureza, a verdade é que outros testificam facilmente de que eles tal não alcançaram. E no geral, aqueles que proclamam estar sem pecado são culpados de um dos maiores pecados: orgulho espiritual.

Sem dúvida a doutrina da erradicação encontra-se em evidente contradição com as Escrituras. A primeira epístola de João declara enfaticamente: “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. (…) Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” (I João 1:8,10).

Paulo também escreve da “lei do pecado, que está nos meus membros” (Romanos 7:23) e persuade a depender constantemente do Espírito Santo para lhe resistir:

“E, se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo também vivificará os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita. De maneira que, irmãos, somos devedores, não à carne, para viver segundo a carne. Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis.” (Romanos 8:11-13)

“Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. (…) Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito.” (Gálatas 5:16,25).

Certamente se a doutrina da erradicação fosse confirmada pelas Escrituras, não haveria razão qualquer para Paulo instruir todos os crentes em como lidar com a velha natureza, usando termos fortes como “considerai-vos”, “não deis lugar”, “despojai-vos” e “mortificai”, etc..

Mas imaginemos por um momento que era possível alcançar a erradicação da carne. Será que tal nos livraria dos nossos outros dois inimigos, o mundo e Satanás? Certamente que não! E havendo nos livrado da natureza decaída de Adão, nós seriamos exactamente como Adão antes da queda, sujeitos a tentações exterior, e como ele, certamente cairíamos. Mas as Escrituras claramente ensinam que todos caíram uma vez em Adão: “… por um homem entrou o pecado no mundo, pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso todos pecaram” (Romanos 5:12).

A nova natureza no crente

Por vezes diz-se que se há algo de bom em qualquer homem é porque foi lá colocado por Deus. E algo bom, a nova e impecável natureza foi na verdade concedida por Deus a todo o crente.

É verdade que enquanto existe dentro de nós “aquele que é gerado da carne”, existe também “aquele que é nascido do Espírito”, e enquanto uma natureza é totalmente depravada e “não pode agradar a Deus”, a outra é absolutamente perfeita e sempre Lhe agrada.

Adão foi originalmente criado à imagem e semelhança de Deus, mas ele caiu em pecado e mais tarde “gerou um filho à sua semelhança” (Génesis 5:3). Não poderia ser de outra forma. O Adão decaído só poderia gerar descendência decaída, pecaminosa, que nem a própria Lei poderia mudar.

“Porquanto, o que era impossível à lei, visto como estava enferma pela carne, Deus, enviando o seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou o pecado na carne; Para que a justiça da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o espírito.” (Romanos 8:3-4).

Tal como Adão foi criado à semelhança de Deus, mas caiu, assim Cristo foi feito na semelhança da carne pecaminosa, para nos redimir da queda, pela graça, através da operação do Espírito, uma nova criação foi gerada, o “novo (homem) que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou” (Colossenses 3:10), um “novo homem, que segundo Deus, é criado em verdadeira justiça e santidade” (Efésios 4:24).

João, na sua primeira epístola, que não vai tão longe ao descrever a nova criação, não deixa de referir-se à nova natureza no crente quando escreve:

“Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado, porque a sua semente permanece nele, e não pode pecar, porque é nascido de Deus.” (I João 3:9)

“Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca.” (I João 5:18)

É evidente que “aquele” nesta passagem não se refere ao indivíduo em si, mas àquela parte no indivíduo que Paulo chama de “o novo homem”, pois já vimos que João, nesta mesma epístola, declara que “se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos (…) fazemo-lo (Deus) mentiroso”. É a nova natureza no crente que não pode pecar, pois foi esta natureza, e não a velha, que foi nascida de Deus.

Assim, para além da natureza decaída de Adão que possuímos, pela fé, fomos também tornados “participantes da natureza divina” (2 Pedro 1:4). Este é o “homem interior” de que Paulo fala em Efésios 3:16. E este “homem interior” deleita-se em fazer a vontade de Deus (Romanos 7:22).

Agradeçamos a Deus que a velha natureza está debaixo da condenação da morte, pois judicialmente Deus já tratou com ela. Ela foi crucificada com Cristo. Mas na prática, o seu fim só chegará quando “a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer” (2 Coríntios 5:1), quando formos “transformados” (1 Coríntios 15:52) e “arrebatados… a encontrar o Senhor nos ares” (1 Tessalonicenses 4:17), mas a nova natureza, a que foi nascida de Deus, nunca morrerá. Em primeiro lugar, não está debaixo da condenação do pecado. Em segundo lugar, aquele que é gerado “não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva e que permanece para sempre” (1 Pedro 1:23).

Paulo, segundo o Espírito Santo, dá uma ênfase especial a este facto, já que ele afecta os crentes nesta presente dispensação, não só porque fomos “gerados” do Espírito e nos foi dada a vida ressurrecta de Cristo, mas porque pertencemos também agora a uma “nova criação” (2 Coríntios 5:17; Efésios 2:10), a qual Deus irá glorificar “nos séculos vindouros” de forma a revelar “as abundantes riquezas da sua graça” (Efésios 2:7).

Desta forma abrimos caminho para agora considerarmos o conflito entre a velha e a nova natureza, e os meios à disposição para vencer a velha.

O conflito entre a velha e a nova natureza

As epístolas de Paulo falam muito do conflito que continuamente existe dentro do crente, entre a velha e a nova natureza. Deus tem um propósito gracioso em permitir tal conflito e este tem as suas verdadeiras vantagens para o crente. Também é verdade que provisão ampla foi feita para a nossa vitória espiritual em qualquer situação, mas antes de considerarmos tal, tratemos primeiramente com o facto do conflito em si.

No tocante a este conflito, o apóstolo Paulo escreve, por inspiração: “Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne, e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis.” (Gálatas 5:17).

Sobre este conflito no sua experiência pessoal, ele escreve:

“Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço. (…) Porque segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus. Mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha com a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado, que está nos meus membros” (Romanos 7:19,22-23).

Alguns ensinam que não necessitamos de viver esta luta contínua entre a velha e a nova natureza. Eles dizem: “sai do capítulo 7 de Romanos e vem para o 8”. A tais recordaríamos que o Apóstolo Paulo escreveu o capítulo 7 e 8 de Romanos na mesma ocasião, e na carta original nem interrupção existe, nem mesmo a divisão dos capítulos. Assim, o apóstolo que exclama “portanto agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8:1), escreve na mesma carta, somente umas frases antes, “a lei do pecado, que está nos meus membros” (Romanos 7:23), e livremente reconhece a operação presente de tal lei nos seus membros, como vimos antes. Como é que então podemos sair do capítulo 7 e ir para o 8? Paulo experimentou ambos ao mesmo tempo, e nós também, pois apesar de estarmos livres da condenação do pecado, o pecado continua mesmo assim a operar dentro de nós.

É verdade certamente que não há esforço ou sacrifício que possa melhorar a nossa natureza adâmica. Mas não é verdade que não devia existir luta entre as duas naturezas. De outra forma, as exortações a não darmos lugar à velha natureza, mas a nos despirmos das obras do velho homem, e mortificar, a dar como mortas, as nossas inclinações terrenas, não fariam qualquer sentido.

É um facto simples de que o conflito descrito em Romanos 7 é sentido na vida de todo o crente. Aqueles que afirmam que devemos sair de Romanos 7, que tentem provar o contrário. Se já chegaram a uma posição que conseguem consistentemente fazer as coisas que devem, onde a “lei do pecado” já não opera mais nos seus membros; se na sua experiência foram libertos do domínio da velha natureza; se até este dia não reconheceram na sua experiência que “não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço” e se não precisam de gritar como Paulo: “miserável homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?”; se eles não precisam de esperar com Paulo “pelo espírito da fé, aguardamos a esperança da justiça” (pessoal, perfeita); devem então juntar-se àqueles que ensinam perfeição sem pecado e erradicação da velha natureza. Se para tal não estão prontos, precisam de reconhecer as verdades claras de Gálatas 5:17 e Romanos 7:22-23.

Se perguntarem-nos se devemo-nos considerar culpados de não podermos fazer as coisas que queremos, responderemos que Gálatas 5:17 não foi escrito para ensinar-nos acerca da nossa incapacidade, mas antes revelar-nos a nossa depravação completa. O Espírito está sempre presente e pronto a conceder a ajuda necessária, mas somos tão inerentemente maus por natureza, que nunca conseguimos consistentemente fazer as coisas que devemos. Certamente a carne luta constantemente, numa guerra sem tréguas, prevenindo-nos de fazer as coisas que devemos.

É verdade que o crente foi “libertado do pecado” pela graça (Romanos 6:14,18), e assim ele não precisa, ou melhor, não deveria, entregar-se ao pecado em nenhuma situação (Romanos 6:12-13). Também é verdade que o crente está livre da “lei do pecado e da morte” (Romanos 8:2), pois Cristo tomou sobre si a nossa condenação na cruz. Mas nenhum crente está livre da presença do que Paulo chama “a lei do pecado, que está nos meus membros”, isto é, a velha natureza, a nossa tendência natural de fazer o mal. Nem ele se encontra livre do conflito entre a velha e a nova natureza.

Se queremos ser verdadeiramente espirituais, e lidar de acordo com as Escrituras com o pecado que vive em nós, precisamos reconhecer a sua presença. Precisamos enfrentar o facto de que já não estamos “em pecado”, mas o pecado continua em nós, e que apesar de Deus ver como morto “o velho homem”, que morreu juntamente com Cristo, ele continua vivo e activo no tocante à nossa experiência no presente.

As bênçãos do conflito

Este conflito não nos deve desencorajar, porque ele é um dos sinais certos de verdadeira salvação. Tal conflito é desconhecido para o descrente, e somente a presença adicional da nova natureza, juntamente com a velha, causa este conflito, pois são contrárias uma à outra.

Se não experimentamos tal conflito totalmente, poderá apenas significar que não fomos salvos, pois as duas naturezas são tão incompatíveis, e vivendo ambas dentro de nós, que é inevitável que o conflito não rompa. Se pouco reconhecemos este conflito dentre de nós, só pode significar que a velha natureza, nas várias formas subtis e enganosas, atingiu o controlo pleno de nós. Quando a nova natureza se manifesta dentre de nós, como deve, a velha natureza certamente entra em guerra contra a nova de forma mais feroz.

Mas não só é o conflito sinal seguro de salvação, como cria também dentro de nós uma sensibilidade para com a nossa corrupção interior e a graça infinita de um Deus santo em nos salvar e em ministrar diariamente para connosco nos ajudando a conquistar o pecado. Assim também temos oportunidade de proclamar o evangelho da graça de Deus aos perdidos de uma forma mais compreensiva, já que possuímos a mesma que natureza que os perdidos.

Poder para vencer

Consideremos agora os meios que Deus providenciou para nos ajudar a vencer o pecado e viver vidas espirituais normais.

Mediante o que já referimos, é evidente que o Espirito Santo não toma possessão completa de nós no momento em que nos salva, e assim não nos força de forma sobrenatural a viver vidas que agradem a Deus. Pelo contrário, assim como é com a salvação, também o é com a vida cristã. Ele opera no crente “pela graça, mediante a fé”. Ajuda capaz e poderosa para vencer o pecado é-nos livremente oferecida gratuitamente, mas esta ajuda tem de ser apropriada pela fé em cada situação individual. Não existe provisão para uma vitória contínua e automática por todas as batalhas da nossa vida. Precisamos de olhar para Ele em fé e buscar a ajuda que precisamos, em cada batalha separadamente.

Assim compreendemos que as Escrituras nos ensinam que no tocante à vitória sobre o pecado, esta não se revela em que nos é impossível pecar, mas antes de que em qualquer situação é nos possível não pecar. A verdadeira questão em tempos de tentação é se verdadeiramente desejamos a vencer, pois o livramento é concedido gratuitamente, se o apropriarmos pela fé.

Mas como é que o livramento é providenciado? A resposta é: Pelo Espírito Santo.

O crente não necessita de continuar escravizado pelo pecado, pois o Espirito Santo que habita no seu interior, assim como Ele concedeu vida no momento da salvação, assim também concede a força para resistir ao pecado. Quando somos tentados e mesmo incapazes de orar como devemos, “o Espírito ajuda na nossas fraquezas” e “intercede por nós, com gemidos inexprimíveis” (Romanos 8:26). Quando em franqueza e aflição, nós somos “corroborados, com poder, pelo Seu Espírito, no homem interior” (Efésios 3:16).

Na verdade, o Espírito até nos fortalece fisicamente para resistirmos ao pecado, como lemos: “E, se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo também vivificará os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita.” (Romanos 8:11)

Não devemos confundir tal com curas miraculosas. Somente se refere ao fortalecimento contra a tentação. Assim escreve o apóstolo: “De maneira que, irmãos, somos devedores, não à carne, para viver segundo a carne.” (Romanos 8:12)

Somos então devedores para com o Espírito que habita em nós, e não para com a carne. Com o Espírito tão perto para nos ajudar, não há justificação para nos queixarmos acerca das nossas fraquezas, ou desculpa para os nossos pecados com base em que “o espírito está pronto, mas a carne é fraca” ou “sou meramente humano”.

O Espírito usa um meio em particular, acima de qualquer outro para nos fortalecer contra a tentação: a Sua Palavra. Nela nós aprendemos o que Deus fez com a velha natureza e qual é a nossa posição em Cristo. É-nos necessário compreender tais factos e os apreciar, se quisermos aprender a lidar com a velha natureza e gozarmos da nossa posição em Cristo.

Em primeiro lugar Deus considera a nossa velha natureza como tendo morrido, com Cristo no Calvário. Nunca deveríamos cessar de agradecer a Deus por isto, pois no que diz respeito ao nosso relacionamento com Ele (e isto é o mais importante) a questão do pecado já foi resolvida. Mas tal implica que a velha natureza não possui mais o direito de viver ou se manifestar em nós. Desta forma Paulo argumenta: “Ou não sabeis que, todos quantos fomos baptizados em Jesus Cristo, fomos baptizados na sua morte?” (Romanos 6:3), e “Assim, também, vós, considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus, nosso Senhor.” (Romanos 6:11).

Mas há mais! Não somente o “velho homem” morreu juntamente com Cristo na cruz, mas também um “novo homem” emergiu juntamente com Cristo da sepultura.

“Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou juntamente com ele, e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus” (Efésios 2:4-6)

“Bendito o Deus e Pai do nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais, nos lugares celestiais, em Cristo.” (Efésios 1:3).

Necessitamos tomar tal como verdade, e apropriarmo-nos de tal pela fé, com Paulo escreve:
“Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à dextra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo, em Deus.” (Colosseses 3:1-3)

Assim temos motivação em viver de forma que agrade a Deus, já que a nossa velha natureza se encontra posicionalmente morta e possuímos agora uma nova natureza, tal como lemos em Romanos 6:

“Assim, também, vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus, nosso Senhor. Não reine, portanto, o pecado, no vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências. Nem tão-pouco apresenteis os vossos membros ao pecado, por instrumentos de iniquidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos de entre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça.” (Romanos 6:11-13)

Paulo escreve mais sobre a nossa posição em Cristo noutras epístolas, e também demonstra que não há nada que nos possa ajudar a viver de forma agradável a Deus, para além da compreensão e apreciação da nossa posição e bênçãos celestiais em Cristo. É quando nos ocupamos com estas “coisas do Espírito” que damos connosco a “caminhar no Espírito” e “andai no Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne” (Gálatas 5:16). Certamente enquanto andamos no Espírito iremos produzir “o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei.” (Gálatas 5:22-23).

Muito melhor é ter as nossas vidas transformadas por ocuparmo-nos com Cristo (2 Corintios 3:18), com a nossa posição e bênçãos nos lugares celestiais com Ele (Colossenses 3:1-3), do que embarcar na tarefa inútil de tentar melhorar a nossa velha natureza. Sempre ocupado com introspecção, sempre ocupado com a carne!

Resumindo, a nossa responsabilidade para com o “velho homem” é: considera-o verdadeiramente morto; não tentes o melhorar (Romanos 6:11; Gálatas 2:20; Colossenses 3:3); não faças provisão para ele (Romanos 13:14); “despoja-te” dela na prática, já que dele fomos despidos posicionalmente (Efésios 4:22; Colossenses 3:8-9). A nossa responsabilidade para com o novo homem é: “considerai-vos vivos para Deus, em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:11); “apresentai-vos a Deus, como vivos de entre os mortos” (Romanos 6:8); alimenta o novo homem (Colossenses 3:16; 1 Pedro 2:2); “andemos nós também em novidade de vida” (Romanos 6:4); veste o novo homem, na prática, já que dele foste vestido posicionalmente (Efésios 4:24; Colossenses 3:10); “buscai as coisas que são de cima” (Colossenses 3:1). Ocupa-te constantemente com as coisas de Deus, com aquilo que Ele fez por ti em Cristo, com aquilo que Ele fez em ti em Cristo, e com aquilo que Ele te deu em Cristo.

“Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne”. (Gálatas 5:16).

(por Cornelius R. Stam)

Anúncios

Verdadeira Espiritualidade – Capítulo 4 Dezembro 11, 2013

Posted by David Costa in Verdadeira Espiritualidade.
add a comment

A nova criação

“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura [criação] é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (II Coríntios 5:17).

Tudo se fez novo

A estima pela verdade contida nesta passagem será uma das maiores ajudas possíveis para o crente que deseja viver uma vida verdadeiramente espiritual.

Considerámos até agora o nascimento e a ressurreição para descrever a transmissão de vida aos crentes pelo Espírito, mas mesmo estes dois conceitos não conseguem descrever a verdade de forma plena. Um terceiro conceito, o da criação, deve ser acrescentado de forma a completar a descrição.

Tal como com o novo nascimento e a ressurreição, o termo criação também é usado com mais do que um sentido. É usado, por exemplo, em relação aos novos céus e à nova terra (Isaías 65:17). Há também um sentido geral, no qual o salvo, em qualquer época, pode ser considerado nova criação, e ainda um sentido mais particular em que o futuro Israel remido é chamado nova criação (Salmos 102:16-18; Isaías 65:18); mas como com os outros dois termos considerados anteriormente, é dado a este termo um significado único na grande revelação dada a Paulo relativamente a Cristo e os membros do Seu Corpo. De facto, é apenas Paulo que, pelo Espírito, usa a expressão exacta “nova criatura”, e exclusivamente em relação a este assunto.

A nova criação é o Corpo de Cristo

A versão que costumamos utilizar, Almeida Revista e Corrigida, não traduz, na nossa opinião, da melhor forma esta passagem de II Coríntios 5:17. A ideia desta passagem não é apenas de que os crentes em Cristo se tornaram individualmente novas criaturas (embora isso também seja verdade), mas que eles agora pertencem a uma gloriosa e nova criação que Deus trouxe à existência em Cristo. Da mesma forma, a segunda parte do versículo não significa apenas que os velhos hábitos pecaminosos “passaram” na vida do crente em particular, para serem substituídos pelo novo modo de viver (embora isto possa, ou deva, ser verdade), mas que com a formação da nova criação uma ordem (ou programa) completamente nova foi introduzida.

Fica claro que este é o significado correcto desta passagem quando temos em conta as observações de Paulo em relação à nova criação, e também o contexto de II Coríntios 5, em particular o versículo anterior:

“Assim que, daqui por diante, a ninguém conhecemos segundo a carne; e, ainda que também tenhamos conhecido Cristo segundo a carne, contudo, agora, já O não conhecemos desse modo” (v. 16).

Toda a passagem de II Coríntios 5 tem que ver com conhecermos Cristo daqui por diante de uma forma nova e diferente, não mais segundo a carne, mas como Cabeça de uma nova criação, e com conhecer os homens, não mais segundo a carne, mas como pertencendo ou à velha criação ou à nova criação em Cristo.

A epístola aos Efésios tem muito a dizer sobre esta importante verdade. Depois de nos lembrar, em Efésios 2:11-12, que como gentios éramos estranhos para com Deus e o Seu povo de concerto, ele continua, dizendo:

“Mas, agora, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto. Porque Ele é a nossa paz, O qual de ambos os povos [judeus e gentios] fez um; e, derribando a parede de separação que estava no meio… para criar em Si Mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz” (Efésios 2:13-15).

No terceiro capítulo, o apóstolo, proclamando a revelação que “noutros tempos não foi manifestada”, afirma que agora os crentes gentios…

“… são co-herdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho” (Efésios 3:6).

Esta “nova criação”, este “novo homem”, este “mesmo corpo”, formado de judeus e gentios feitos um em Cristo, é chamado “o Seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos” (Efésios 1:23).

A nova criação, contrapartida da velha

A nova criação de Deus em Cristo é a contrapartida da criação do Adão de Génesis 5:2. Antes de Deus dar a mulher ao homem, o seu nome foi Adão (Génesis 2:18-20). Depois Deus fez cair um sono pesado sobre o homem, tomou uma das suas costelas, formou dela uma mulher e deu-a de volta ao homem para serem “ambos uma carne”. “Macho e fêmea os criou, e os abençoou; e chamou o seu nome Adão” (Génesis 5:2).

Da mesma forma, a Igreja que é o Corpo de Cristo foi formada através da Sua morte e tomada do seu lado ferido, por assim dizer, para ser feita uma com Ele na sua vida ressurrecta. E, como aconteceu com Eva, foi-nos dado o Seu Nome. Falando dos membros do Corpo de Cristo, o apóstolo diz:

“Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros… assim é Cristo também” (I Coríntios 12:12).

Relembremos que a “nova criação”, o “novo homem”, é a contrapartida do Adão de Génesis 5:2. Cristo não foi criado como Adão foi, porque lemos em I Coríntios 14:45,47:

“Assim está também escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão, em espírito vivificante … O primeiro homem, da terra, é terreno; o segundo homem, o Senhor, é do Céu.”

O seu início na História

Quando o falhanço total tanto de judeus como gentios se tornou evidente, Deus encerrou a ambos debaixo da desobediência, para com todos usar de misericórdia (Romanos 11:32):

“E, pela cruz, reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades” (Efésios 2:16).

Assim, a nova criação, o corpo de Cristo, teve um começo definido na história humana. Historicamente, teve início com a queda de Israel e com a dispensação da graça de Deus através de Paulo.

As “coisas velhas” que “passaram” nessa altura (II Coríntios 5:17) eram as condições e requisitos da Velha Aliança. Tão completamente “passaram” estas “velhas coisas” da “Velha Aliança”, que Deus toma o requisito mais básico de todos, a circuncisão, e diz sobre ela:

“Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão nem a incircuncisão têm virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura” (Gálatas 6:15).

Deus não diz mais: “SE diligentemente ouvirdes a Minha voz… ENTÃO sereis a minha propriedade…” (Êxodo 19:5). “Tudo se fez novo” (versículo 17) e nesta nova ordem “tudo provém de Deus [i], que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo” (versículo 18). Connosco não há o condicional “se”. A nós, como membros do “Corpo de Cristo”, é garantido que somos o tesouro do coração de Deus porque fomos feitos um com Cristo, o Seu filho amado (Efésios 1:6). Logo que cremos, é-nos dada a posição de filhos adultos (Gálatas 4:1-7; Efésios 1:5-6) baseada na graça e não na lei (Romanos 6:14; Gálatas 3:23-25, 4:6-7). Esta é uma verdade que a figura do novo nascimento não transmite.

A sua origem nos propósitos de Deus

Embora a nova criação tenha começado na história humana com a queda de Israel e com a dispensação da graça de Deus através de Paulo, ela foi planeada por Deus muito antes disso.

Como vimos, a doutrina do novo nascimento contempla apenas um novo começo. A doutrina da nossa ressurreição com Cristo vai mais longe incluindo tanto o estado passado não regenerado do indivíduo como a nova vida que recebe quando crê, visto que ressurreição pressupõe uma vida anterior e morte. Mas a doutrina da nova criação com Cristo vai ainda mais longe do que o nosso passado não regenerado, mais longe do que a criação de Adão, mais longe do que a criação do velho universo arruinado pela pecado, até ao propósito eterno de Deus.

Foi na eternidade passada que Deus decidiu que quando o pecado dos filhos de Adão tivesse atingido o seu auge, quando Israel se tivesse juntado aos gentios em rebelião e ambos se colocassem “contra o Senhor e contra o Seu Ungido”, Ele formaria uma nova criação de judeus e gentios reconciliados, unidos entre si e com Cristo, o Segundo Homem, o Último Adão. É claramente ensinado nas epístolas de Paulo que este era o Seu propósito eterno, como veremos adiante.

A nova criação e a conduta cristã

O propósito eterno de Deus na nova criação era, entre outras coisas, que os pecadores, criados à imagem do Adão caído, possam ser conforme à imagem de Cristo, o impecável Filho de Deus; para que eles pudessem produzir boas obras em vez de más e viver para a glória da Sua graça. A concretização deste propósito será consumado, é claro, depois de esta vida terminar, mas é evidente destas passagens que abordam esse assunto que Deus quer que entremos na alegria e poder da nossa união com Cristo agora pela fé. Isso pode ser visto nas seguintes passagens:

“Porque os que dantes conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de Seu Filho…” (Romanos 8:29).

“Como também nos elegeu nEle antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dEle em amor [ii], e nos predestinou para filhos de adopção por Jesus Cristo, para Si mesmo, segundo o beneplácito de Sua vontade (Efésios 1:4-5).

“Porque somos feitura Sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas” (Efésios 2:10).

“Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a Igreja e a Si mesmo se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, para a apresentar a Si Mesmo Igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível” (Efésios 5:25-27).

“Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano, e vos renoveis no espírito do vosso sentido, e vos revistais do novo homem, que, segundo Deus, é criado em verdadeira justiça e santidade” (Efésios 4:22-24).

“Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com os seus feitos e vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem dAquele que o criou; onde não há grego nem judeu, circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre; mas Cristo é tudo em todos” (Colossenses 3:9-11).

Talvez o leitor já tenha reparado que os crentes “vestiram” o novo homem e são exortados a afastarem-se do mal à luz deste facto. Deus quer que vistamos o novo homem experimentalmente, à luz do facto de que posicionalmente já o vestimos pela fé em Cristo. Note-se que na última passagem citada, a nossa posição no corpo é inquestionável, porque lemos: “onde não há grego nem judeu”.

A nova criação e o Espírito Santo

Quão útil deveria ser o conhecimento destas coisas na vida daqueles que desejam verdadeiramente viver para agradar a Deus! Pensar que fomos escolhidos em Cristo antes da fundação do mundo! Pensar que Deus nos aceita inteiramente no Seu Filho amado! Pensar que Ele já nos uniu eternamente com Cristo! Pensar que a nossa unidade com Cristo nos fez também um uns com os outros! Pensar que Deus nos deu um lugar à Sua mão direita em Cristo, uma posição que podemos ocupar agora pela fé! Pensar que ele lida connosco como sendo filhos adultos, na base da graça e não da lei! Pensar que Ele nos abençoou com todas as bênçãos espirituais em Cristo, das quais nos podemos apropriar agora pela fé! O que poderia ser maior incentivo para “andarmos dignos da vocação com que fomos chamados” do que o conhecimento destas coisas?

Não se pretende aqui dizer que o mero conhecimento intelectual destes factos nos proporcionará maior ajuda para viver vidas verdadeiramente espirituais do que o mero conhecimento intelectual nos pode salvar. Tem de ser um conhecimento baseado na fé na Palavra de Deus, trabalhada pelo Espírito, que escreveu a palavra.

Para começar, não devemos esquecer que o Corpo de Cristo, a nova criação, é formada por judeus e gentios pela obra do Espírito:

“Pois todos nós fomos baptizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos” (I Coríntios 12:13).

Além disso, podemos compreender e desfrutar das gloriosas verdades da nossa posição em Cristo apenas pela fé, quando o Espírito abre os nossos olhos para compreender as Escrituras. É por isso que o apóstolo ora fervorosamente:

“Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em Seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação, tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da Sua vocação e quais as riquezas da glória da Sua herança nos santos e qual a sobreexcelente grandeza do Seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do Seu poder” (Efésios 1:17-19).

Certamente que o apóstolo fala aqui de saber estas coisas experimentalmente, não apenas intelectualmente. Deste modo, devemos olhar sempre para Deus como Quem pode tornar estas verdades reais para nós através do Seu Espírito, para que o conhecimento da fé possa tornar-se no conhecimento de bendita experiência.

(por Cornelius R. Stam)

[i] Na sua essência, “todas as coisas” necessárias para a salvação sempre foram “de Deus”, mas isso ainda não havia sido revelado. Sob a Velha Aliança e até Paulo, o homem sempre foi instruído a fazer algo para achar o favor de Deus. Agora, Deus diz que Ele mesmo realizou tudo o que é necessário e oferece a salvação “àquele que não pratica, mas crê” (Romanos 4:5).

[ii] A expressão “em amor” pertence, muito provavelmente, ao versículo seguinte. Não existe pontuação no original que determine isso.

Verdadeira Espiritualidade – Capítulo 3 Fevereiro 23, 2011

Posted by David Costa in Verdadeira Espiritualidade.
add a comment

Novidade de Vida – Ressurreição com Cristo

“De sorte que fomos sepultados com Ele pelo baptismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida” (Romanos 6:4).

Comparação entre o novo nascimento e a novidade de vida

Embora o Velho Testamento empregue a figura da ressurreição, relacionando-a com a conversão de Israel e futuras bênçãos na terra (por exemplo, Ezequiel 37:1-4), esta figura, tal como a do novo nascimento, é usada num sentido mais pleno e profundo na grande revelação dada a Paulo sobre Cristo e os membros do Seu Corpo.

Além disso, a doutrina da nossa ressurreição com Cristo para uma nova vida é um progresso relativamente ao que mesmo Paulo, pelo Espírito, tem a dizer sobre o novo nascimento.

O nascimento fala apenas de começo; não contempla o passado. Quando Nicodemos perguntou: “Pode (um homem) tornar a entrar no ventre de sua mãe e nascer?”, o nosso Senhor rapidamente explicou que ao usar a expressão “nascer de novo” Ele não queria dizer nascer de novo da mesma maneira, mas nascer de novo de maneira diferente. Deus não se encarrega de melhorar a velha natureza ou de induzir o “velho homem” a começar tudo de novo porque, como vimos, “o que é nascido da carne é carne” e “os que estão na carne não podem agradar a Deus” (João 3:6; Romanos 8:8). Por muito intelectual, culta ou religiosa que “a carne” possa ser, ela não deixa de ter sido gerada por alguém caído e portanto não pode agradar a Deus. Assim, “o que é nascido da carne” precisa não apenas de nascer de novo e começar de novo; precisa que uma natureza nova e diferente lhe seja concedida; uma vida completamente nova, gerada do Espírito Santo. Esta nova vida é independente e distinta daquela que foi gerada com o nascimento natural; na verdade, é-lhe contrária. O conflito que daqui resulta será abordado num capítulo posterior. Aqui enfatizamos apenas que o novo nascimento fala apenas de um novo começo e não contempla o passado.

O novo nascimento é a contrapartida espiritual do nascimento natural. Não é costume falarmos do passado de um recém-nascido. Como indivíduo, ele não tem passado. Ele mal começou a abrir os seus olhos e olhar à sua volta, sem conseguir focar a sua visão num objecto em particular. Deste modo, o novo nascimento fala do começo de uma nova vida.

Avançando um pouco mais, verificamos que recebemos esta nova vida pela identificação com Cristo na Sua morte, sepultamento e ressurreição, e que a doutrina da ressurreição com Cristo contempla o passado. Ressurreição pressupõe uma vida anterior e morte. A identidade do indivíduo é preservada em todo o processo. O indivíduo que viveu um determinado tipo de vida, morreu e é agora ressuscitado para viver uma nova vida. Agora, ressurrecto de entre os mortos, ele é a mesma pessoa, mas não é mais o mesmo. Assim o apóstolo Paulo pôde dizer: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim” (Gálatas 2:20).

É verdade que Efésios 2:1 ensina que estávamos “mortos em ofensas e pecados” antes de termos sido identificados com Cristo na Sua morte, mas isso não muda a situação, porque nessa mesma passagem lemos que “noutro tempo” andámos “segundo o curso deste mundo”… Tal como a viúva descrita em I Timóteo 5, os descrentes vivendo estão mortos, e podem ser vivificados da sua morte em ofensas e pecados apenas pela identificação com Cristo na Sua morte e ressurreição, pela simples razão de que Ele veio para Se identificar connosco na nossa morte para nos trazer com Ele na vida ressurrecta.

A ressurreição do crente com Cristo

Mas como pode alguém identificar-se com Cristo na Sua morte, sepultamento e ressurreição? Como pode alguém morrer para a velha vida e ressuscitar para andar em novidade de vida?

A resposta é: pela graça por meio da fé. Aquilo que Cristo fez por nós pela graça, devemos aceitar e apropriar-nos pela fé. Ele, por um acto de infinita graça, identificou-Se connosco, morrendo a nossa morte. Nós, por um acto simples de fé, devemos-nos identificar com Ele, confessando: “Eu sou o pecador. É a minha morte que Ele está a morrer. Aceito a Sua graça e entrego-me a Ele para salvação.” No momento em que isto é feito, tornamo-nos um com o Cristo crucificado, mas vivo para sempre.

É muito importante notar que o Calvário é sempre o ponto de encontro, o local onde a identificação é realizada. Nenhum homem foi feito um com Cristo sem ter sido feito um com Ele na Sua morte. “Ou não sabeis que todos quantos fomos baptizados em Jesus Cristo fomos baptizados na sua morte?” (Romanos 6:3). E é por esta razão que somos sepultados com Cristo, por esse mesmo baptismo, e ressuscitados com Ele para andar em novidade de vida (v. 4).

Que tragédia que a verdade sublime desta passagem tenha sido obscurecida com a injecção nela de um cerimonial de baptismo na água! Como se o baptismo na água pudesse trazer o crente de hoje a alguma relação com Cristo! Como se pudesse verdadeiramente sepultar o velho homem e ajudar-nos a revestirmo-nos do novo! Aqueles que caíram neste erro, pegaram numa cerimónia que nunca se relacionou com sepultamento, mas apenas de lavagens (Actos 22:16, entre outras passagens), e confundiram-na com o nosso verdadeiro baptismo pelo Espírito na morte, sepultamento e ressurreição de Cristo. Não é de admirar que o apóstolo exclame, em relação a este assunto: “Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua… Estais perfeitos nEle… No Qual também estais circuncidados com a circuncisão… Sepultados com Ele no baptismo, nEle também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que O ressuscitou dos mortos” (Colossenses 2:8-12).

Quão perfeito e maravilhoso é o plano divino! Pela graça, Cristo morreu a nossa morte. Pela fé, reconhecemos que era nossa a morte que Ele morreu e confiamos nisso para sermos salvos. E ali na Cruz tornamo-nos um. A resposta que a fé dá à graça uniu-nos de forma eterna e inseparável.

A realidade da nossa ressurreição com Cristo

O aspecto posicional desta verdade é claramente a mais importante. Lemos que o nosso Senhor “por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação” (Romanos 4:25). Por outras palavras, a Sua morte pagou todo a punição pelos nossos pecados e adquiriu para nós plena justificação. Portanto, Ele ressuscitou dos mortos. E como a Sua morte era nossa (a punição pelos nossos pecados) e nos apropriámos disso pela fé, a justificação e vida ressurrecta também é nossa. Tal como reconhecemos a morte de Cristo como nossa, também Deus nos considera um com Ele, como já tendo morrido pelos pecados e para o pecado e tendo ressuscitado para andarmos em novidade de vida.

Este aspecto posicional da nossa identificação com Cristo na sua morte, sepultamento e ressurreição está longe de ser apenas mera teoria. É um facto. É uma realidade vital. A justa condenação do pecado por parte de Deus é real. O sofrimento de Cristo e a sua morte por nós é real. E tivemos de exercer uma fé real na obra consumada de Cristo antes de Deus nos justificar e declarar-nos justos, considerando-nos como já tendo morrido pelos pecados e para o pecado. É com base nesta transacção que o apóstolo argumenta que não temos o direito de permanecer no pecado. Os pecados, que tanta tendência temos para cometer depois de termos sido justificados, pertencem à velha vida e não à nova que temos em Cristo. Portanto não temos o direito de permanecer no pecado. Paulo pergunta: “Nós que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?” (Romanos 6:2). E referindo-se ao facto de que Cristo “uma vez morreu para o pecado”, mas “vive para Deus”, continua:

“Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus, nosso Senhor. Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; nem tão-pouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniquidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça” (Romanos 6:11-14).

Mas as verdades posicionais que temos considerado são apenas parte da doutrina global do nosso baptismo em Cristo, porque embora estas realidades posicionais afectem a nossa experiência quando nos apropriamos delas pela fé, o nosso baptismo em Cristo é um assunto muito prático.

Quando o pecador reconhece a morte de Cristo como sua e confia em Cristo para salvação, não só ele recebe uma posição perante Deus como tendo sido crucificado, sepultado e ressuscitado com Cristo, mas também o Espírito sela a transacção, unindo-o numa relação viva com Cristo. Assim, o crente torna-se de facto participante da Vida ressurrecta de Cristo. Está aqui em consideração mais do que a justificação; há também a necessidade e a transmissão de vida, e esta vida, embora espiritual na sua natureza, não é por isso menos real.

Não foi a morte de Cristo real? Não foi a Sua morte realmente a nossa morte? Tão real é então a nossa vida ressurrecta! Em primeiro lugar, quando aceitamos a morte de Cristo como nossa e somos identificados com Ele, morremos de facto para a velha vida, no sentido em que não podemos mais voltar à condição de perdidos. Esse estado é para sempre passado. Além disso, agora tornamo-nos participantes da vida ressurrecta de Cristo, a qual não podemos perder (Romanos 6:9), visto que é a Sua vida. Tal como o Pai nos ressuscitou dos mortos do ponto de vista posicional, também o Espírito nos ressuscitou espiritualmente, no sentido em que de facto Ele nos transmitiu vida espiritual. Agora, é connosco apropriarmo-nos e desfrutarmos da plenitude dessa vida pela fé.

Em Romanos 8:2, Paulo fala desta transmissão de vida pelo Espírito como uma lei que opera em cada crente: “Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte.”

E então o apóstolo continua a mostrar que aquilo que a lei de Moisés “não podia fazer” por causa do carácter “da carne”, Deus enviou o Seu próprio Filho para cumprir: “Para que a justiça da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Romanos 8:4).

Assim, para além da razão moral pela qual não devemos permanecer no pecado, há também uma razão muito prática: a nova vida que o Espírito gerou dentro de nós. É isto que o apóstolo enfatiza em Romanos 8:11-12, quando diz:

“E, se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo também vivificará o vosso corpo mortal, pelo seu Espírito que em vós habita. De maneira que, irmãos, somos devedores, não à carne para viver segundo a carne.”

Alguns supõe que esta passagem se refere à futura ressurreição dos mortos, mas convém notar que o Espírito que em nós habita vivifica os nossos corpos mortais (e não mortos). Assim, somos devedores, não ao pecado, mas a Deus. Não nos podemos desculpar com expressões como “Afinal, ainda sou humano”, ou “O espírito está pronto, mas a carne é fraca”, porque temos o Espírito Santo em nós para fortalecer os nossos corpos mortais e ajudar-nos a andar em novidade de vida. No entanto, os aspectos posicionais e práticos da nossa ressurreição com Cristo estão intimamente ligados. Efésios 2:4-6 parece referir-se a ambos:

“Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo Seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou juntamente com Ele, e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus.”

Assim, a posição do crente em Cristo é já no Céu, e pela fé e pelo poder do Espírito, ele pode ocupar essa posição e gozar na prática essas bênçãos. É por isso que Paulo abre a epístola aos Efésios com estas palavras de louvor:

“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” (Efésios 1:3).

E é por isso que ele desafia os Colossenses:

“Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à dextra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima e não nas que são da terra; porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus” (Colossenses 3:1-3).

(por Cornelius R. Stam)

Verdadeira Espiritualidade – Cap. 2 – O primeiro passo para a verdadeira espiritualidade Abril 21, 2010

Posted by David Costa in Verdadeira Espiritualidade.
2 comments

A necessidade de uma nova natureza

Aquilo de que o homem precisa, em primeiro lugar, para se tornar verdadeiramente espiritual é, então, uma nova natureza, gerada do Espírito de Deus. O nosso Senhor deixou isso bem claro quando disse a Nicodemos:
“O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito” (João 3:6).

Novamente nesta passagem o termo carne não pode referir-se meramente ao corpo físico, porque no nascimento são gerados não só um corpo, mas também um espírito e uma alma. Assim, aqui a carne refere-se à natureza adâmica decaída.

Da mesma forma, aqui o espírito que é nascido do Espírito não pode ser o próprio espírito do homem, porque já vimos que o homem natural no seu todo (corpo, alma e espírito) é “nascido da carne”. A ideia principal desta passagem de João 3 é que por esse motivo os homens precisam de nascer (ou ser gerados) de novo, desta vez “do Espírito”, isto é, do Espírito de Deus (versículos 6 a 8).

Todavia, há tantos aspectos relacionados com a comunicação de vida espiritual ao crente, em especial no que diz respeito à presente dispensação, que Deus usa três metáforas para os descrever: nascimento, ressurreição e criação. Nenhuma delas em separado poderia de forma apresentar a ideia de forma adequada, pelo que as três são necessárias.

Comecemos, então, como a figura elementar do novo nascimento.

O novo nascimento

“Jesus respondeu, e disse-lhe: ‘Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus’ ” (João 3:3).

Não é de admirar que os perdidos não vejam a sua necessidade do novo nascimento, não fora o poder do Espírito Santo que os convence do pecado. No entanto, mesmo entre aqueles que já nasceram de novo, há aqueles que defendem que a figura do novo nascimento aplica-se apenas a Israel e não àqueles que vivem sob a presente dispensação. Eles baseiam a sua conclusão na premissa de que o nosso Senhor falava a um judeu sobre os judeus sobre o novo nascimento e que Paulo não menciona o assunto nas suas epístolas. No entanto, esta premissa é errada, bem como as conclusões daí retiradas.

Em primeiro lugar, devemos notar que o nosso Senhor falou a Nicodemos em termos gerais sobre ver e entrar no “Reino de Deus”. Ele não usou o termo mais específico de “Reino dos Céus”, que está relacionado com o estabelecimento do Reino de Deus na terra (ver Daniel 2:44; Mateus 5:3-5, 6:10). Isto porque Ele se referia a algo que envolvia mais do que a entrada no reino milenial.

O facto de que os crentes de hoje entrarão no Reino de Deus tal como os crentes de outras dispensações é bem claro nas epístolas de Paulo (ver Romanos 14:17; I Coríntios 4:20, 6:9-10, 15:50; Gálatas 5:21; Efésios 5:5; Colossenses 4:11; I Tessalonicenses 2:12; II Tessalonicenses 1:5). Deve também notar-se que o nosso Senhor falou em termos gerais quando ele disse que era necessário para o homem nascer de novo para entrar no Reino de Deus. Não temos o direito de partir do princípio que o nosso Senhor queria dizer que era necessário apenas para o judeu nascer de novo para entrar no Reino dos Céus, quando Ele disse que era necessário nascer de novo para entrar no Reino dos Céus.

Se alguém apresentar a objecção de que o Senhor deveria ter em mente apenas os judeus, visto que na altura estava a ministrar apenas aos judeus e aqui dirigia-se a um judeu, deveremos insistir que o diálogo do nosso Senhor com este judeu eminente está registado aqui especialmente para mostrar que todos os homens em todos os tempos precisam de nascer de novo para entrar no Reino de Deus.

Uma infeliz divisão de capítulos tem ofuscado este facto importante, porque o episódio com Nicodemos em João 3 é uma demonstração de uma afirmação importante feita no final do capítulo 2. Citamos os dois juntos para mostrar a ligação.

“E, estando Ele em Jerusalém pela Páscoa, durante a festa, muitos, vendo os sinais que fazia, creram no Seu Nome. Mas o mesmo Jesus não confiava neles, porque a todos conhecia; E não necessitava de que alguém testificasse do homem, porque Ele bem sabia o que havia no homem. E havia entre os fariseus um homem, chamado Nicodemos, príncipe dos judeus. Este foi ter de noite com Jesus…” (João 2:23-3:2).

Para demonstrar a necessidade universal de regeneração, Deus escolheu esta personagem ilustre: um príncipe dos judeus, altamente intelectual, rigorosamente moral, profundamente religioso e absolutamente sincero na sua investigação sobre Cristo. Deve ter sido verdadeiramente notável: um respeitável fariseu vindo a um jovem de 30 anos, tratando-O respeitosamente por “Rabi” e reconhecendo-O logo à partida como um “Mestre, vindo de Deus”.

Ainda assim este era um daqueles em quem o Senhor não confiava; um daqueles que creu nEle por causa dos seus milagres. As próprias palavras de Nicodemos o mostram: “Bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que Tu fazes, se Deus não for com ele” (João 3:2).

Mas isto não salva (nem alguma vez salvou) o homem. Assim, não fazendo grande caso dos elogios e indo logo directo ao assunto, o Senhor mostra-lhe qual a sua necessidade, sua e de todo o homem: uma nova vida. Não importa o seu intelecto, moralidade ou religião, o homem precisa de nascer de novo, nascer de Deus.

Mas, e quanto ao argumento de que a frase “nascer de novo” não se encontra nas epístolas de Paulo? Em primeiro lugar, argumentos baseados no silêncio são muitas vezes traiçoeiros e, por eles mesmos, não provam nada. Mesmo que as epístolas de Paulo não se referissem ao novo nascimento, o novo nascimento continuaria a ser uma necessidade básica para a entrada no Reino de Deus de acordo com as palavras do nosso Senhor. Em segundo lugar, apesar de a frase exacta “nascer de novo” não ocorrer nas epístolas de Paulo, a doutrina do novo nascimento é ali ensinada tão claramente como em qualquer outra parte da Bíblia.

Ela é ensinada por clara implicação. Referindo-se aos crentes, o apóstolo usa as palavras nepios (bebé, ou pequena criança) e huios (filho adulto). Além disso, ele anseia pelo crescimento espiritual dos crentes. É claro que, posicionalmente, todos os crentes são vistos como filhos (adultos) de Deus a partir do momento em que são salvos, com todos os direitos e privilégios de filhos (Gálatas 4:1-7). Mas nestes estudos não estamos a tratar propriamente de posição, mas sim de experiência: a comunicação de vida espiritual ao pecador e gozo dela pelo santo.

A posição de justiça perante Deus, a qual Cristo comprou para todos os homens, de nada serve ao pecador até que seja aceite pela fé. Da mesma forma, a posição de filhos que é nossa em Cristo, bem como as bênçãos que a acompanham, são apropriadas e gozadas apenas pela fé. Por isso, o apóstolo repreendeu os coríntios pela sua carnalidade, chamando-os de meninos, que precisavam de ser alimentados com leite porque não podiam ainda digerir alimento sólido (I Coríntios 3:1-2). Também os crentes hebreus tiveram de ser repreendidos porque continuavam meninos espirituais quando, pelo tempo em que já tinham de salvos, deveriam já ser mestres da Palavra (Hebreus 5:12-14). Da mesma forma, é-nos dito em Efésios 4:12-15 que Deus deu à Igreja apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e ensinadores, para “o aperfeiçoamento dos santos… para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina… antes, seguindo a verdade em amor”.

Além disso, Paulo escreve em I Coríntios 16:13: “Vigiai, estai firmes na fé; portai-vos varonilmente, e fortalecei-vos.”

Certamente o apóstolo não se refere, nestas passagens, à infância, crescimento e maturidade do homem natural. Ele refere-se à nova vida que é gerada do Espírito.

As palavras homens, filhos e meninos, usados relativamente à vida espiritual, implicam claramente nascimento espiritual. O homem que se porta varonilmente, a dada altura da sua experiência espiritual, alcançou um lugar de maturidade espiritual. Antes disso era um menino. E isso, por sua vez, implica que ele nasceu, porque houve um tempo específico em que o bebé veio a existir.

Além de tudo isto, há duas passagens nas epístolas de Paulo que ensinam o novo nascimento de forma clara. A primeira é Romanos 8:16-17, onde o apóstolo usa a palavra teknon: filhos (nascidos).

“O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos [nascidos] de Deus. E, se nós somos filhos [nascidos], somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo…”

Poderá algo prestar um testemunho mais claro do facto de que os crentes debaixo da dispensação da graça são nascidos de novo? Certamente não nos tornámos filhos (nascidos) de Deus pelo nascimento natural.

A outra passagem é Tito 3:5, onde lemos:
“Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a Sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração [Em grego, palingenesia] e da renovação do Espírito Santo.”

A maior parte das versões do Novo Testamento que existem traduzem esta palavra palingenesia como regeneração, enquanto outras traduzem como novo nascimento ou renascimento, sendo que nenhuma delas se afasta da ideia de novo nascimento.

Devemos também notar o facto de que, na natureza do caso, os homens nascidos de Adão precisam de nascer ou ser gerados de novo para serem salvos. Uma vida nova e diferente tem de ser transmitida e iniciada. A vida que o crente recebe é a vida de Cristo, vida eterna, e não tem começo, no sentido de que, em Cristo, o crente é imediatamente considerado adulto. Mas esta é uma verdade mais profunda que deverá ser considerada mais tarde. A vida espiritual tem um início na experiência de todo o crente, e a necessidade disto é tão enfatizada nas epístolas de Paulo como nas palavras de Cristo na Terra. Tal como o Senhor explicou a Nicodemos o facto de que o homem no seu melhor não pode entrar no reino de Deus (visto que “o que é nascido da carne é carne”), também Paulo, pelo Espírito, insiste:

“E agora digo isto, irmãos: que a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção” (I Coríntios 15:50).

Deste modo, embora seja verdade que o nosso Senhor ensinou o novo nascimento durante o Seu ministério terreno relativo a Israel, não resulta daqui que este assunto diga respeito unicamente à nação de Israel. O que o nosso Senhor disse relaciona-se com a humanidade, sem relação com a raça ou época.

Como pode o pecador nascer de novo

A questão de como a vida do Espírito é gerada e recebida pelo crente é, claramente, de vital importância para todo o filho de Adão. E novamente aqui, embora o grande mistério revelado pelo Senhor glorificado através de Paulo é um progresso relativamente aos ensinamentos elementares sobre o assunto por parte de Cristo no seu ministério terreno e dos doze apóstolos, de maneira nenhuma os contradiz ou se afasta deles. O pecador nasce de novo e recebe a vida do Espírito quando o Espírito implanta a palavra no seu coração, a qual ele aceita pela fé:

“Segundo a sua vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade…” (Tiago 1:18).

“Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre.” (I Pedro 1:23).

“Só quisera saber isto de vós: recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé?” (Gálatas 3:2).

É verdade que aqui o apóstolo argumenta particularmente em relação à necessidade de um novo corpo para a entrada física na presença de Deus, mas não será que isto fortalece o argumento de que o homem no seu estado natural é inapto para a presença de Deus?

“De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela Palavra de Deus” (Romanos 10:17).

Mais especificamente, o pecador nasce de novo e recebe a vida do Espírito quando crê na Palavra de Deus e crê no Seu Filho para salvação:
“Mas, a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no Seu nome;” (João 1:12).

De facto, o apóstolo Paulo designa a vida em cristo como a lei do Espírito quando diz:
“Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte.” (Romanos 8:2).

Assim, o crente em Cristo não só é justificado perante Deus, como também recebe a nova vida, porque é uma lei inflexível e imutável que o Espírito dá vida àqueles que confiam em Cristo para salvação.

Somos salvos pela fé na Palavra. Crendo na Palavra, o Espírito transmite vida. Além disso, à medida que crescemos em conhecimento e fé na Palavra, crescemos em maturidade espiritual. É a isso que Pedro se refere:
“Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo” (I Pedro 2:2).

É também a isto que Paulo se refere em Efésios 4:14-15:
“Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina… Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo.”

O novo nascimento e a revelação dada a Paulo

Como vimos, a revelação dada a Paulo leva-nos a verdades mais elevadas e mais gloriosas que se relacionam tanto com a nossa posição como com a nossa experiência como crentes. De facto, o novo nascimento, que ocorre no crente hoje, está directamente relacionada com o baptismo divino através do qual Cristo e o crente são feitos um.

Como é que Cristo foi feito um com a humanidade? Ele foi baptizado na raça humana. Ele não veio meramente para habitar com os homens, mas tornou-se homem. Como? Nascendo na raça humana. E foi um nascimento natural? Não, foi um nascimento sobrenatural. Ele foi gerado pelo Espírito Santo. Mas o Seu baptismo na raça humana não terminou com o Seu nascimento e vida aqui na Terra. Tão completamente Ele se tornou um com o homem, que Ele até morreu a morte do homem na cruz maldita. Ele foi baptizado na morte (Lucas 12:50) e, como sabemos agora, a nossa morte.

E é aí, na Cruz, que nos tornamos um com Ele. No momento em que alguém olha pela fé para o calvário, reconhecendo: “Eu sou o pecador. Cristo está a morrer a minha morte.” Nesse momento ele torna-se um com Cristo, baptizado no próprio Cristo crucificado e ressuscitado (Romanos 6:3; Gálatas 3:26-27), não apenas posicionalmente, aos olhos de Deus, mas na sua experiência, pelo Espírito. E assim uma nova vida é gerada. Por um nascimento natural? Não, por um nascimento sobrenatural.

Aqui a figura do nascimento une-se à da ressurreição, porque a vida que o Espírito transmite é a vida do Cristo ressurrecto em nós.

(por Cornelius R. Stam)

Verdadeira Espiritualidade – Cap. 1 – A Natureza do Homem Janeiro 30, 2010

Posted by David Costa in Verdadeira Espiritualidade.
add a comment

É bem possível que enquanto crianças pensássemos que os nossos pais sabiam todas as coisas, se bem que tal não é verdade. Mas nós que somos crentes devemos estar gratos por termos um Pai celestial que sabe todas as coisas e que pela sua graça há muitas coisas, as mais importantes, que Ele nos deu para que as conheçamos muito bem. Ainda assim, há muitas coisas que não sabemos, e isto é particularmente verdade em relação à nossa própria natureza e constituição. Esta questão é tão complexa, que nunca terminaremos o estudo dela aqui na Terra. Bem escreveu David em relação a este assunto:

“Eu Te louvarei, porque de um modo terrível e tão maravilhoso fui formado; maravilhosas são as Tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem.” (Salmos 139:14).

Há, no entanto, algumas coisas que Deus nos diz em relação à nossa natureza e constituição, e destas devemos possuir um conhecimento básico, se queremos compreender o que é ser verdadeiramente espiritual, e isto no sentido bíblico do termo. Comecemos por considerar, de forma breve, a natureza do homem.

Corpo, alma e espírito

O homem possui um corpo com olhos, ouvidos, nariz, língua, dedos e outros membros. Mas ele é mais do que um corpo. Há dentro dele aquilo que dá vida a estes membros e fazem com que possamos ver, ouvir, cheirar, saborear e sentir. A isto chamamos alma (em hebraico, nephesh; em grego, psychē). Pode ser definida como: o sopro da vida; a força vital que anima o corpo e que se evidencia na respiração; aquilo pelo qual o corpo vive e sente. O corpo do homem foi feito a partir do pó da terra, mas para lhe transmitir vida foi necessário que Deus inspirasse nele o sopro da vida.
“E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra e soprou em seus narizes o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.” (Génesis 2:7).

Assim há pelo menos duas partes da constituição do homem, uma material e outra imaterial. Mas há ainda uma outra parte, também imaterial, chamada espírito (em hebraico, ruwach; em grego, pneuma).

A alma e o espírito, sendo ambos imateriais, têm algumas funções comuns atribuídas nas Escrituras e são por vezes usados alternadamente, mas não se conclui daqui que eles sejam o mesmo, visto que encontramos distinções entre elas em muitas passagens bíblicas.

Lemos na epístola aos Hebreus:
“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e PENETRA ATÉ À DIVISÃO DA ALMA E DO ESPÍRITO…” (Hebreus 4:12).

Paulo escreveu aos Coríntios sobre o corpo do crente:
“Semeia-se corpo natural [em grego, psychikos, palavra derivada de psychē], ressuscitará corpo espiritual” (I Coríntios 15:44).

Também na epístola de Judas é clara a distinção entre alma e espírito:
“Estes são os que causam divisões, sensuais [em grego, psychikos], que NÃO têm o Espírito [pneuma]” (Judas 19).

Pneuma é normalmente definida como a parte racional do homem e pela qual ele alcança e compreende as coisas as coisas divinas e eternas e sobre a qual o Espírito de Deus exerce a Sua influência.

As passagens anteriores também refutam as seguintes ideias:

  • o espírito no corpo faz a alma
  • o espírito e o corpo juntos fazem a alma
  • o homem não tem alma mas sim é alma
  • quando o espírito deixa o corpo deixa de haver alma.

De facto, embora o homem tenha sido “feito alma vivente”, a alma é mesmo assim referida nas Escrituras como sendo distinta do corpo, bem como do espírito, porque a Palavra de Deus não só “penetra até à divisão da alma e do espírito” (Hebreus 4:12) como também faz a divisão entre a alma e o corpo, porque em Mateus 10:28 temos as seguintes palavras do Senhor Jesus Cristo:

“E não temais os que matam o CORPO e não podem matar a alma; temei antes Aquele que pode fazer perecer no inferno A ALMA E O CORPO” (Mateus 10:28).

Como veremos, a alma é a sede da existência consciente do homem e por isso ele é chamado de alma (Génesis 2:7 e Actos 2:41, entre outras passagens), mas visto que ele é mais do que uma alma, uma vez que é também corpo e espírito, lemos nas Escrituras que ele tem uma alma:

“Mas a sua carne nele tem dores; e A SUA ALMA NELE lamenta” (Job 14:22).
“… porquanto derramou A SUA ALMA na morte…” (Isaías 53:12).
“… A SUA ALMA NÃO FOI DEIXADA NO INFERNO, nem a Sua carne viu a corrupção” (Actos 2:31).

Deste modo, o Apóstolo Paulo escreve aos Tessalonicenses:
“… e TODO O VOSSO ESPÍRITO, E ALMA, E CORPO, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (I Tessalonicenses 5:23).

Concordamos, assim, com a posição amplamente divulgada de que a consciência do mundo pertence ao corpo (Mateus 6:22; I Coríntios 12:14-17), a consciência de si mesmo pertence à alma (Mateus 16:26; I Pedro 1:9) e a consciência de Deus pertence ao espírito (Romanos 1:9, 8:16). No entanto, devemos ter em conta que estes três estão intimamente relacionados, pois o corpo, por exemplo, tem consciência do mundo apenas se a alma lhe der consciência, enquanto a alma e o espírito estão relacionados de forma semelhante. Certamente é verdade que o corpo, sendo físico, está mais relacionado com a terra e com as coisas materiais (Génesis 3:19) e que o espírito, antes da queda, relacionava-se mais com Deus e é ainda sobre ele que o Espírito Santo exerce a Sua influência (Efésios 1:17, 4:23), enquanto que a alma é o intermediário entre os dois, sendo a sede dos sentimentos, emoções e decisões, unindo o corpo e o espírito (Génesis 2:7; Marcos 14:34; João 11:33).

Alma, a sede da existência do homem

Embora pareça evidente, com base em Génesis 2:7, que a alma é a sede da existência do homem desde a criação, também é evidente que antes da queda a alma do homem era sujeita ao seu espírito, o qual por sua vez estava em completa harmonia com o Espírito de Deus. No entanto, isto mudou com a queda. O enganador convenceu o homem de que, se se fizesse valer dos seus próprios “direitos”, poderia ser “como Deus”. O homem creu na mentira e como resultado foi dominado por ela. A consciência de si mesmo deu lugar à sua própria vontade e aos próprios interesses. Todo o ser humano tornou-se por natureza um deus para si mesmo. Com a queda o homem tornou-se num ser centrado na alma, passando a sua alma caída, a sua própria importância e os seus próprios interesses a influenciar e a dominar tanto o seu corpo como o seu espírito. Claro que isto teve como consequência a inimizade contra Deus e a separação de Deus. Numa palavra, a morte.

É nosso objectivo ver como Deus, pela graça, oferece libertação desta condição, de forma a que os pecadores mortos em seus pecados possam tornar-se em santos vivos e espirituais.

Espiritualidade bíblica

O que se quer dizer com expressões como “o que é espiritual” e “vós, que sois espirituais” que lemos nas Escrituras? O que é verdadeira espiritualidade no sentido bíblico?

Antes de responder a esta pergunta, devemos referir que a verdadeira espiritualidade não consiste meramente no domínio da vida do homem pelo seu espírito (e não pela sua alma ou pelo seu corpo), porque com a entrada do pecado todo o ser do homem foi “separado da vida de Deus” (Efésios 4:17-19), tornando-se o seu espírito, alma e corpo caídos. Além disso, como vimos, a alma pervertida, em vez de ser a sede da simples consciência de si mesmo, tornou-se na sede da sua própria importância e dos seus próprios interesses, o que teve um efeito devastador no seu espírito, tornando todo o homem interior em inimizade com Deus (Romanos 8:7; Colossenses 1:21).

Uma verificação do uso bíblico da palavra pneuma afastará rapidamente a noção de que o espírito em si mesmo é bom. Várias vezes lemos nas Escrituras acerca de espíritos “imundos” e “maus” (Marcos 1:23 e Lucas 7:21, entre outras). Em I Pedro 3:19-20 lemos acerca dos “espíritos em prisão”, que foram ali lançados por causa da sua desobediência a Deus nos dias de Noé. O próprio Satanás é, como sabemos, o “espírito que agora opera nos filhos da desobediência” (Efésios 2:2) e os crentes são agora avisados explicitamente que a sua luta não é contra a carne e o sangue, mas sim contra os espíritos malignos nos lugares celestiais (Efésios 6:12). Na verdade, o facto de que somos chamados a purificarmo-nos de toda “a imundícia da carne [corpo] e do espírito” (II Coríntios 7:1) e que alguns procuram ser santos, “tanto no corpo como no espírito” (I Coríntios 7:34), indica claramente que o espírito do homem não ficou imaculado com a queda.

Por isso não é suficiente que as nossas vidas sejam dominadas pelos nossos espíritos. O homem no seu todo (espírito, alma e corpo) deve estar dominado pelo Espírito de Deus. Homens espirituais, no sentido bíblico da palavra, são aqueles que têm “o Espírito que vem de Deus” (I Coríntios 2:12), apreciam e são sensíveis às “coisas do Espírito de Deus” (I Coríntios 2:14), são “guiados pelo Espírito de Deus” (Romanos 8:14) e assim produzem “o fruto do Espírito” (Gálatas 5:22).

Em I Coríntios 2:11 fica claro que a espiritualidade bíblica tem que ver com a actuação do Espírito de Deus no crente. Nessa passagem o Apóstolo Paulo nota que, tal como ninguém poderia entender “as coisas do homem” se não fosse “o espírito do homem, que nele está”, assim ninguém pode entender “as coisas de Deus” se não for “o Espírito de Deus”.

O simples facto de o homem caído ter espírito não o ajuda a compreender Deus ou a ser mais como Ele. Este facto devia ser tomado em atenção por aqueles que procuram agradar a Deus, tentando constantemente, e em vão, alcançar um “estado mais elevado”.

O espírito e a carne

Em relação a isto, as epístolas de Paulo têm muito a dizer sobre a carne (no grego, sarx) num sentido ético. O termo “carne” não se refere ao mero corpo físico, nem mesmo ao corpo e à alma, mas antes à natureza adâmica e caída do homem, a qual afecta todo o seu ser, mesmo o seu espírito.

Diz o apóstolo que na carne “não habita bem algum” (Romanos 7:18). Ele chama-a de “carne do pecado” (Romanos 8:3). Ele diz-nos que “a carne cobiça contra o espírito” (Gálatas 5:17), que ela busca “ocasião” para o mal (Gálatas 5:13) e que “as obras da carne” são todas más (Gálatas 5:19-21).

É importante que compreendamos o que significa o termo “carne” em passagens como estas. Não é o corpo físico, nem o corpo e a alma, mas a velha natureza na sua operação no homem no seu todo.

Muitas vezes a natureza caída do homem exprime-se na sua entrega às paixões sensuais, mas por outro lado também se pode exprimir na sua tentativa de controlar essas paixões. O “velho homem” pode parecer moral e íntegro e até muito religioso. Ele pode cumprir fielmente jejuns, festas e dias santos. Ele pode esforçar-se por manter o seu corpo sob controlo, disciplinando-se pela participação em práticas de mortificação dos sentidos “com pretexto de humildade”, mas estará de facto a desagradar ainda mais a Deus porque está “debalde inchado na sua carnal compreensão”, supondo que está a fazer algo de bom dele mesmo. E no entanto as “ordenanças” com as quais o “carregam” e mesmo a “disciplina do corpo” “não são de valor algum senão para a satisfação da carne” (Colossenses 2:18-23) pela simples razão de que todos estes esforços representam apenas uma tentativa da carne para se tornar melhor.

Não é de admirar que não só lemos que “o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção” (Gálatas 6:8), mas também que mesmo “a inclinação da carne é morte… porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser” (Romanos 8:6,7).

“Portanto, os que estão na carne [isto é, vivem sob o domínio da velha natureza] não podem agradar a Deus” (Romanos 8:8). É importante lembrar isto. Por muito educado, culto ou religioso que o homem seja, ele não pode agradar a Deus!

Até agora abordámos este assunto de forma um pouco pormenorizada de forma a que o leitor não seja induzido no erro de pensar que se ao menos o seu espírito conseguisse controlar o seu corpo, ele seria um homem melhor; isto porque o seu espírito, alma e corpo são, desde a meninice, controlados pela natureza adâmica caída: a carne.

Aquilo de que o pecador precisa é de uma nova natureza, gerada pelo espírito de Deus, para que Deus possa ter o controlo.

Formas predominantes de pseudo-espiritualidade

Antes de explicar pelas Escrituras como os pecadores se podem tornar “participantes da natureza divina”, algo mais deve ser dito sobre o que não é espiritualidade.

Para além das tentativas sinceras (embora vãs) dos perdidos para melhorar a sua velha natureza, há várias formas de pseudo-espiritualidade que muitos, mesmo entre o povo de Deus, têm trocado pela verdadeira, supondo que evidenciam a operação do Espírito de Deus neles.

Para alguns, o puro emocionismo é tido como espiritualidade. Reacções emocionais a histórias comoventes, apelos apaixonados ou bela música sacra é por vezes vista como a operação do Espírito e aqueles que prontamente reagem a estas coisas são considerados como bastante espirituais.

Para outros, a solenidade é tida como espiritualidade. Eles sentem que os verdadeiros crentes deveriam ser sempre solenes e andar sempre com a cabeça inclinada, olhar deprimido e com uma postura séria, procurando simular espiritualidade, enquanto os outros, que não os conhecem bem, reparam na sua aparente piedade.

Com outros é exactamente o oposto. Eles confundem jovialidade ou boa disposição com espiritualidade e vêem aqueles que são rápidos a gritar “Aleluia” ou parecem sempre felizes como os mais espirituais.

Muitas vezes o mero cerimonialismo é confundido com espiritualidade. Celebrar um “sacramento”, contemplar uma imagem “sagrada”, ajoelhar-se perante um altar; tais coisas podem ser, e muitas vezes são, confundidas com espiritualidade.

Talvez a forma mais predominante de “verdadeira” espiritualidade contrafeita é aquela pela qual os crentes menos esperariam ser enganados: superstição, que se move tão agilmente na nossa imaginação. Eis alguns exemplos:

Um jovem que procura saber qual a vontade de Deus para a sua vida abre a sua Bíblia ao acaso e aponta para um versículo também ao acaso o qual supostamente indica a orientação do Senhor. Uma dona de casa procura orientação para o dia retirando uma promessa de uma “caixinha de promessas”, uma promessa que pode até nem se aplicar minimamente a ela e que terá de ser “espiritualizada” de qualquer forma de modo a encaixar. Outros dirão: “Falei com o Senhor sobre isso e Ele disse…” Muitas vezes as práticas mais em desacordo com as Escrituras são justificadas desta forma. Perante estas justificações, deveria ser perguntado “Exactamente o que te disse o Senhor?”, “Como é que Ele te disse isso?” ou “Ouviste a Sua voz?”.

Cremos que Deus fala de facto aos seus filhos directamente na Sua Palavra e indirectamente através das circunstâncias, mas mesmo nos tempos bíblicos era relativamente raro alguém ouvir a voz de Deus. Geralmente o que “o Senhor disse” nos casos anteriormente referidos eram nada mais do que uma emoção completamente humana ou opinião pessoal à qual se chegou e totalmente falível. Se aquilo que “o Senhor disse” era uma convicção genuína, baseado na vontade revelada de Deus, então pode ser dito que Deus falou a essa pessoa através da sua Palavra, em resposta a oração, mas a ideia que deve ficar não deve ser a de que o Senhor “disse” ou “sussurrou” alguma coisa enquanto essa pessoa estava em oração. Aqueles que imaginam que têm tais experiências e supõe que isto reflecte algum grau de espiritualidade da sua parte, deveriam procurar nas Escrituras e ficar a saber que nos dias em que o Senhor falava audivelmente ou por aparições de anjos, Ele fazia-o tanto aos ímpios e imorais como aos Seus santos. Sem dúvida, de boa vontade o nosso adversário nos deixará ocupados com “vozes” imaginárias e “revelações” e assim tirar do seu devido lugar a completa revelação das Sagradas Escrituras.

Mas não pretendemos que haja algum mal-entendido. Não dizemos que reacções emotivas, solenidade sincera ou jovialidade são erradas. Apenas dizemos que elas não devem ser confundidas com verdadeira espiritualidade. Os perdidos podem experimentar reacções emotivas semelhantes às que os salvos sentem. Os perdidos também podem ser alegres ou solenes. Certamente o cerimonialismo e a superstição tem um amplo lugar entre os perdidos. No entanto os perdidos, quaisquer que sejam as suas experiências emocionais, sejam eles solenes ou joviais, dados ao cerimonialismo ou superstição, estão longe de ser espirituais.

(por Cornelius Stam)